O Tango da vida

Fonte: Wiki

Tango em Buenos Aires

A representação da tristeza em forma de dança, como demonstrar a tristeza senão através da arte, textos, musica e em alguns caso a dança. A tristeza é o maior combustível criativo no meu ponto de vista, as maiores obras geralmente vem de alguma temática triste ou evento que levou o autor da obra a ter um insight de genialidade através da tristeza, não é besteira posso dar vários exemplos, mas só darei dois exemplos na musica.

1-      Eric Clapton Tears In Heaven – http://www.youtube.com/watch?v=AscPOozwYA8

2-      Andy Timmons cry for You – http://www.youtube.com/watch?v=AscPOozwYA8

Bom esse são exemplos de musicas fantásticas sobre algo triste, tears in heaven é sobre a morte do filho de Clapton e cry four you é sobre um termino em um relacionamento de Andy Timmons obviamente, fazer musicas é difícil, agora uma analise que achei muito interessante e como unir musica e dança para representar a tristeza. A única resposta que me veio à mente foi o tango com movimentos algumas vezes lentos cadenciados, com um pouco de caos em momentos de passagens mais rápidas nas musicas, tudo isso me veio ouvindo  Astor Piazzolla, um gênio musical que infelizmente demorei muito a descobrir (graças a um novo amigos descobri sua maravilhosa musica),  um tango instrumental, com musicas maravilhosas e que passam uma tristeza um peso em suas composições que poucos ritmos conseguem expressar.

Acho que todos na vida têm motivos para dançar ou escrever um tango, as diversas formas de magoas gerariam musicas mestrais e performances fantásticas em um dos salões do centro histórico de Buenos Aires (capital da argentina, linda por sinal). Nos últimos tempos tenho vivido um tango, com altos e baixos com momentos de queda e subida de acordo com o andar da musica, meus pensamentos vão de uma felicidade momentânea a pensamentos melancólicos que formariam um tango fantástico, a dança é o coração onde em certos momentos é calmo e outros agitados como um dia de ventania na patagônia. As grandes metáforas são derivadas do tango da vida, mantendo um improviso com uma base segurando o ritmo para as nuances improvisadas que temos em nosso dia a dia, nossa inspiração sempre vem de ou algo bom ou ruim, como o tango há momentos de alegria, tristeza e solidão mas sempre sendo necessário um par para manter um equilíbrio a dança, acredito esse ser o motivo de sermos animais sociais, sozinhos não temos como dançar um tango.

Anúncios

~ por René Ramirez em 17/01/2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: